.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. "A DOR MENTE"

. DIA MUNDIAL DA ESCLEROSE ...

. ESCLEROSE MÚLTIPLA

.arquivos

. Junho 2012

. Janeiro 2012

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds

Segunda-feira, 27 de Junho de 2011

"A DOR MENTE"

Este é um belíssimo vídeo de Joaquim Pavão sobre a Esclerose Múltipla, que se forma a partir de um magnífico poema de João Negreiros e com música de Rodrigo Leão. Até ao próximo dia 4 de Julho vá ao Facebook, clique "gosto" na página da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla e depois "gosto" neste vídeo, que está exposto no mural. Desta forma estará a contribuir com 2 euros para a SPEM. Não hesite e participe nesta ideia!

 

publicado por Dreamfinder às 14:15

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Maio de 2010

DIA MUNDIAL DA ESCLEROSE MÚLTIPLA

 

"A Esclerose Múltipla interrompe o trajecto dos nervos. Causa, por isso, paralisia, incontinência urinária e disfunção sexual."  (outdoor 1)

 

Assinala-se hoje o Dia Mundial da Esclerose Múltipla, pelo que decidi relembrar esta doença, já anteriormente abordada neste blog.

É uma doença desmielinizante do Sistema Nervoso Central (SNC), ou seja, em que há uma evolução progressiva e, geralmente, por surtos, devido à inflamação e consequente perda da substância que reveste as fibras nervosas do SNC - a mielina. Este processo deixa uma espécie de cicatrizes nos locais desmielinizados, conhecidas como "placas". Surgem assim defeitos, podendo mesmo ocorrer o bloqueio da transmissão da informação nervosa no cérebro e medula espinhal. 

 

 

Em termos etiológicos, parece haver uma combinação de factores que levam ao desenvolvimento de EM. Entre eles estão a susceptibilidade genética, a hereditariedade, infecções virais latentes na infância ou a auto-imunidade. É uma doença que afecta mais as mulheres do que os homens.

Os primeiros sinais de doença manifestam-se, geralmente, por volta dos 20/40 anos. Uma primeira manifestação frequente é a referente ao olho: a visão turva e a dor retrocular exacerbada pelos movimentos oculares, que têm como causa uma neurite óptica. Nestes doentes é fundamental pesquisar a probabilidade de EM. Podem também surgir parésias (perdas de força muscular) e, mais tardiamente, plegias (paralisias, abolição total da força/motilidade) nos membros superiores e inferiores, muitas vezes acompanhadas de dor e espasticidade. Da mesma forma, a EM caracteriza-se por alterações da fala.

 

 

Também a sensibilidade está afectada, com diminuição da mesma - hipoestesia - ou parestesias (sensações de formigueiro, picadas, ...). A EM pode também causar uma nevralgia do trigémio (V par craniano), nervo que inerva a face, sendo responsável pela sensibilidade da mesma. Assim, esta cursa com dor facial.

Também surgem perturbações dos esfíncteres, podendo surgir incontinência urinária (urgência miccional assim que a bexiga tem uma pequena quantidade de urina e impossibilidade de controlar a micção), retenção urinária (dificuldade em urinar ou esvaziar a bexiga) ou bexiga neurogénica (perda do funcionamento normal da bexiga). Os distúrbios esfincterianos anais são mais raros.

A EM é frequentemente acompanhada de disfunção sexual nos homens e dispareunia (dor durante a relação sexual) na mulher.

Aquando da afecção do cerebelo, surgem dificuldades na coordenação motora, tremor de intenção, alterações da marcha e desequilíbrios.

Por fim, podem ainda surgir alterações da memória e um grande cansaço.

Todas as manifestações podem ser transitórias, apenas surgem nos surtos, ou podem ser permanentes (sintomas residuais).

 

 

"Quando tens EM nunca sabes o que é que vai expirar a seguir." (outdoor 2)

 

O diagnóstico baseia-se nas manifestações clínicas, mas é confirmado por ressonância magnética, punção lombar com análise do líquido cefalo-raquidiano (LCR) e potenciais evocados.

 

A EM não tem cura, é uma doença crónica e progressiva. No tratamento, porém, podem usar-se corticosteróides, citostáticos (em baixas doses), imunomoduladores (interferão-beta), relaxantes musculares, ... O futuro poderá passar por uma nova substância - o copolímero1 - que parece prevenir a recorrência de surtos e diminuir a gravidade dos mesmos.

A fisioterapia e a psicoterapia também parecem ter um papel fundamental na reabilitação física e psicológica do doente com EM.

 

Entre as figuras públicas que sofrem desta doença, conta-se o antigo jogador búlgaro do Sporting, Iordanov.

É de louvar a extraordinária e esclarecedora campanha levada a cabo por uma agência suiça, que distribuiu diversos outdoors, cujo tema é "Multiple sclerosis interrupts the nerve tracts" e da qual exibo algumas imagens (outdoors 1 e 3). Outra magnífica campanha, de autoria australiana, usa o conceito de prazo de validade no corpo para alertar para as diversas e imprevisíveis incapacidades que a EM vai deixando (outdoor 2).

 

 

"A EM interrompe o trajecto dos nervos. Por isso causa paralisia e compromisso da fala."

 

publicado por Dreamfinder às 22:26

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 17 de Março de 2007

ESCLEROSE MÚLTIPLA

 

 

Se há doença que deixe as pessoas apreensivas e receosas esta é uma delas. A doença pode aparecer em qualquer pessoa, calcula-se que em todo o mundo atinja cerca de dois milhões e meio de indivíduos, mas surge predominantemente em mulheres, entre os vinte e os cinquenta anos. Acredita-se que exista uma certa predisposição genética, mas não se pode considerar uma doença hereditária.

 

É uma das doenças que mais frequentemente atingem o sistema nervoso central: cérebro, medula espinhal e nervos ópticos. Afecta a bainha que envolve as fibras nervosas (mielina) através das quais as células comunicam entre si e, no seu conjunto, condicionam o dia-a-dia do individuo, desde os sinais que capta no exterior através dos órgãos dos sentidos, até às actividades que faz consciente ou inconscientemente como andar, falar, ou comer.

 

 

Nesta patologia verifica-se uma inflamação e posterior destruição progressiva desta bainha de tecido gordo que protege as fibras nervosas, o que provoca um mau funcionamento da parte do corpo que está sob a responsabilidade da porção do tecido nervoso atingido.

Esta inflamação que está na origem da lesão na bainha da mielina, na maioria dos casos, acaba por desaparecer com o tempo (dias ou semanas) e a membrana que envolve os nervos é reconstituída. Quando isto acontece, o doente recupera a função perdida, mas se houver um ligeiro dano no nervo pode ficar com pequenas sequelas. Neste processo a bainha de mielina nem sempre é reconstituída na íntegra, dando origem a pequenas cicatrizes que se chamam placas. A doença evolui intercalando períodos em que os doentes têm queixas evidentes, e outros em que podem estar sem qualquer sintoma.

O diagnóstico desta doença é extremamente complicado, dada a variedade de queixas que o indivíduo pode ter a somar à inexistência de um exame que indique de imediato e precocemente a sua presença. O modo de chegar ao diagnóstico da esclerose múltipla é através de uma boa recolha e caracterização dos sintomas que o doente apresenta, por um exame neurológico minucioso (onde se testam os reflexos, o equilíbrio, a coordenação, a visão), pela ressonância magnética (para visualizar o cérebro) e uma punção lombar (análise do liquido que percorre a medula espinhal). Uma das características base é que as crises desta doença não se podem prever.

Actualmente, já existem terapêuticas quer para o alívio das queixas, quer para diminuir a probabilidade e a gravidade dos surtos da doença. O mais importante é um diagnóstico precoce e uma terapêutica adequada que pode revelar-se extremamente importante, porque esta pode limitar-se a alguns períodos, em que o indivíduo apresenta algumas queixas relativas às partes do sistema nervoso atingidas seguidas de remissão, como pode tornar-se uma doença de agravamento progressivo.

Não tem cura; mas não é fatal, pois a maioria dos doentes tem uma esperança de vida semelhante à da população em geral. Só em casos muito extremos é que os indivíduos afectados não podem levar uma vida com um dia-a-dia produtivo, com envolvimento profissional e social próximo do normal.

O Dia Nacional das Pessoas com Esclerose Múltipla é a 4 de Dezembro.

 

 

publicado por Dreamfinder às 22:01

link do post | comentar | favorito

.links